FIFA não permite que Adidas recrie camisas com listras gigantes

A Adidas lançou recentemente os uniformes para a Copa do Mundo 2018, na Rússia, trazendo de volta alguns modelos que ficaram marcados no passado.

Tivemos a volta, por exemplo, da clássica camisa da Alemanha de 1990, em uma versão repaginada, da camisa da Bélgica de 1984, que traz um desenho clássico na frente, Espanha de 94, que até causou polêmica, com o azul do novo manto, entre outras, tendo a maioria inspiração nos anos 90.

Porém, muitas pessoas sentiram falta de alguns modelos que poderiam ter aparecido, como as famosas camisas com as três listras em tamanho grande, que marcaram época no começo da década de 90, mais precisamente nos anos de 1992, 1994 e 1996.

 

O modelo de 1992 poderia ter sido utilizado, por exemplo, para a nova camisa da Súecia, já que na Eurocopa a seleção fez sua melhor campanha na história. Mas o que vimos foi uma inspiração no uniforme utilizado na Copa de 1990, na qual a seleção teve participação pífia.

Outros modelos que foram lembrados foram os da Copa de 1994, utilizados pela própria Suécia, Bulgária e Romênia, e o utilizado na Eurocopa de 1996, por praticamente todas as seleções da marca.

Mas, contudo, todavia, entretanto, a marca na verdade não pode criar um modelo inspirado nestes citados, devido ao polêmico guia de vestuário da FIFA, um livro com mais de 100 páginas que regulamenta todo e qualquer tipo de vestuário relacionado a uniformes.

Falando especificamente da Adidas, segundo as regras do livro, fica proibido pela entidade a criação de qualquer modelo que se baseie em três grandes listras dispostas na camisa, independente do lugar.

A regra 42, que regulamenta as marcas na camisa, diz que enquanto os times podem exibir todos os tipos de identificações na frente e nas mangas da camisa, as marcas ficam limitadas a posições e logos específicas permitidas (apenas uma identificação da marca na frente da camisa, com no máximo 20cm²). As três listras da marca são consideradas uma identificação, portanto, se fossem inspiradas nos modelos dos anos 90, acabariam não podendo fazer parte do uniforme junto da logo da Adidas pelas regras atuais.

Isso também explica o porque das faixas nas camisas da Alemanha, Colômbia e Espanha não aparecem também nas mangas, como nos modelos originais, somente no corpo, já que as três listras da marca que podem ser utilizadas nas mangas já estão presentes nos ombros.

Camisas do México 2018-2019 Adidas

“Mas e a camisa do México de 2018? Ela é inspirada no modelo de 1994!” Isso é verdade, mas nesse caso a Adidas deu o famoso “jeitinho” para poder ser aprovado. Ela juntou as três faixas, tirando as divisórias, e além disso, as deixou com a mesma cor do uniforme (verde), apenas em outro tom, diferentemente das camisas daquela Copa, que tinham as faixas em outra cor. Outro aspecto relevante nesse caso é que as “faixas” são constituídas por finas linhas verticais, o que aparentemente vale para a FIFA.

Outra curiosidade é que a marca não pode aplicar sua logo na gola, então a Adidas também não poderia repetir o que fazia nos anos 90, algo que ficou marcado naqueles mantos.

Curiosamente, a marca alemã lançou para o Orlando Pirates da África do Sul duas camisas inspiradas no modelo de 1992, com a logo dentro da gola e as três listras bem largas no ombro direito, para serem utilizadas em jogo. A marca também lançou camisas no mesmo modelo para o Real MadridJuventus e Flamengo, mas apenas para moda casual.

►Compre produtos Adidas na Fut Fanatics

O que achou da FIFA proibir a Adidas de criar modelos com as três listras em larga escala?